fbpx

novembro 24, 2023

Arquitetura e Civil

Planta Baixa: descubra o que não deve faltar em seu projeto

 

Planta Baixa: descubra o que não deve faltar em seu projeto

Quando falamos em projetos de construção e arquitetura, as plantas baixas são excepcionalmente fundamentais, oferecendo uma visão aérea detalhada que nos permite entender a distribuição dos espaços, as dimensões e a localização dos elementos. 

Trata-se de um desenho técnico que fornece um guia detalhado para a construção, auxiliando na otimização de recursos, no planejamento de espaços, na definição de fluxos e na comunicação entre todos os envolvidos na obra. 

Sem uma planta baixa, a construção seria um quebra-cabeça sem peças e sem objetivo final. 

Leia também: Passo a passo para você iniciar uma construção sem dores de cabeça!

Elementos essenciais

As plantas baixas são essenciais para entender a distribuição dos espaços internos, mostrando a localização das paredes, portas, janelas, mobiliário e outros elementos cruciais para determinar o layout dos cômodos, garantir a maior funcionalidade e cumprir os códigos de construção. 

Toda planta baixa deve conter elementos essenciais, sem os quais a interpretação do projeto se torna confusa. Os principais elementos são:

  • Paredes: são representadas por linhas sólidas e definem a estrutura da edificação.
  • Portas e janelas: precisam ser indicadas por aberturas nas paredes, com símbolos específicos.
  • Dimensões: devem ser presentes para indicar largura e comprimento de cômodos, paredes e aberturas.
  • Móveis e equipamentos: o posicionamento de móveis e equipamentos pode ser representado para fins de layout e design de interiores.

Leia também: Como começar o projeto da obra civil residencial

Como criar uma planta baixa

Aqui está um passo a passo de como criar uma planta arquitetônica básica em escala para qualquer espaço:

Materiais Necessários:

  • Papel milimetrado ou uma régua
  • Lápis, lapiseira, borracha e escalímetro (ou régua de escala)

Passo 1: medir o espaço

Comece medindo o espaço real que deseja representar em sua planta arquitetônica. Use uma fita métrica ou uma trena para obter as medidas precisas.

Passo 2: escolher uma escala

Determine a escala que você usará para criar a planta. A escala é a relação entre as dimensões no desenho e as dimensões reais do espaço. Por exemplo, uma escala de 1:100 significa que 1 unidade no desenho é igual a 100 unidades no mundo real. A escolha da escala depende do tamanho do espaço e do papel disponível.

Passo 3: desenhar as paredes

Use seu lápis e régua para começar a desenhar as paredes do espaço. Comece com uma parede de referência (a mais longa ou a mais fácil de medir) e desenhe-a na escala escolhida. Por exemplo, se a parede real tem 4 metros de comprimento e você está usando uma escala de 1:100, desenhe uma linha de 4 cm no papel. Use o escalímetro ou a régua de escala para manter a proporção ao fazer isso.

Passo 4: adicionar portas e janelas

Usando as medidas reais, adicione portas e janelas às paredes conforme necessário. Certifique-se de desenhá-las na escala correta. As portas normalmente têm uma largura padrão, então verifique as medidas comuns ao representá-las.

Passo 5: incluir móveis e elementos internos

Se desejar, adicione móveis e outros elementos internos ao espaço. Lembre-se de desenhá-los na mesma escala usada para as paredes.

Passo 6: identificar dimensões e outras informações

Adicione dimensões à sua planta arquitetônica. Isso envolve a adição de medidas para as paredes, portas, janelas e quaisquer outros elementos relevantes. Você também pode incluir informações adicionais, como norte, nomes de cômodos, ou indicações de uso de espaço.

Passo 7: revisar e refinar

Revise sua planta arquitetônica para garantir que todas as medidas estejam corretas e que o desenho seja claro. Faça ajustes, se necessário.

Passo 8: digitalizar ou finalizar o desenho

Se desejar, você pode digitalizar sua planta arquitetônica para trabalhar com ela em programas de design assistido por computador (CAD). Caso contrário, finalize seu desenho à mão.

OBSERVAÇÃO

Este é um processo simplificado. Mas é claro que para projetos mais complexos ou detalhados, o recomendável é procurar a orientação de um arquiteto ou equipe profissional para ter a garantia de segurança e efetividade na elaboração do seu projeto. Hoje em dia, são utilizados softwares específicos capazes de gerar plantas baixas de maior precisão.

Leia também: Conheça a Poli Júnior: uma das empresas mais inovadoras do país

Normas da ABNT para plantas baixas

Para garantir a padronização e a qualidade das plantas baixas, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) estabelece algumas diretrizes. Entre as normas mais relevantes, podemos citar a NBR 6492, que trata de representação de projetos de arquitetura, e a NBR 13142, que aborda escalas para desenhos técnicos.

Aqui está um breve resumo do que cada uma aborda:

NBR 6492 – Esta norma especifica os princípios gerais para representação de edificações em desenhos técnicos. Ela abrange diretrizes para desenho de plantas baixas, cortes, fachadas, entre outros elementos de edificações. Também fornece orientações sobre a simbologia e convenções a serem usadas em desenhos técnicos.

NBR 13142 – Esta norma estabelece as diretrizes para representação de projetos de arquitetura em desenhos técnicos. Ela define os elementos gráficos a serem utilizados, como linhas, hachuras, legendas, entre outros. Além disso, a NBR 13142 aborda a padronização dos formatos de pranchas e folhas de desenhos e como organizar informações em uma prancha, incluindo plantas baixas e outros elementos de projeto.

Ambas visam padronizar a representação de projetos e desenhos técnicos na área da arquitetura e engenharia, garantindo que profissionais possam compreender e interpretar esses desenhos de forma consistente. Para obter informações completas e atualizadas sobre essas normas, é recomendável consultar diretamente a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) ou adquirir uma cópia das normas em si.

Adotar essas normas é crucial para a compreensão consistente dos desenhos em todo o setor da construção e arquitetura.

Conclusão

Apesar das dicas apresentadas, contar com uma empresa experiente em projetos arquitetônicos é essencial para a realização bem-sucedida de qualquer empreendimento. Cujos profissionais trazem consigo não apenas um profundo conhecimento das técnicas e regulamentações, mas também uma visão criativa que pode transformar espaços comuns em obras arquitetônicas. 

Se este artigo foi útil para você, visite o blog da Poli Júnior e assine a nossa newsletter para conferir e receber novos conteúdos.

POLI JUNIOR CTAS Outubro TOPO

Banners do Rock Convert copiar min 1

Mais artigos

plugins premium WordPress