Entenda o que é e como é feito um projeto arquitetônico dos sonhos!

Se você está em processo de construção e reforma, seja ele residencial, comercial ou empresarial, já deve ter escutado sobre projeto arquitetônico e desejado um. 

Apesar de ser considerado um gasto desnecessário por muitos, o projeto arquitetônico vai muito além da estética. Entretanto, muitas pessoas não entendem todos os fatores envolvidos e existentes nesse processo, e é isso que evidenciaremos a seguir. 

O que é o projeto arquitetônico e quais os seus benefícios? 

O projeto arquitetônico pode ser definido como a execução e materialização de um esboço realizado cuidadosamente por um profissional, viabilizando e guiando a construção através de plantas e demais documentos. 

Ou seja, o projeto arquitetônico define as principais características construtivas de todo o processo, viabilizando a execução da obra de forma adequada e assertiva, atendendo aos anseios dos clientes e solucionando possíveis problemas que surgirem.

Além disso, associam funcionalidade e estética, tornando o ambiente harmonioso e funcional, com características e soluções pensadas exclusivamente para as necessidades e os desejos existentes, levando em consideração também as particularidades físicas do local de construção. 

Dentre todos os benefícios existentes em investir na execução de um projeto arquitetônico, podemos citar como os principais: 

  • Redução de custos pelo melhor aproveitamento dos recursos disponíveis de acordo com o orçamento dado pelo cliente, evitando desperdícios
  • Resolução de problemas atuais e futuros, a partir da previsibilidade assertiva e do planejamento. 
  • Funcionalidade de ambientes e espaços, aproveitando ao máximo condições naturais do local como a iluminação. 
  • Conforto e usabilidade, nos padrões exigidos pelo cliente. 
  • Estética, tornando todo o projeto harmonioso e agradável visualmente. 
  • Menores índices de erros e intercorrências. 
  • Segurança e eficiência de trabalho
  • Ideias inovadoras e profissionais, tornando a sua construção única

Agora que você já sabe o que é e os benefícios existentes em investir nesse projeto, que tal entender como ele é feito?

Como é feito um projeto arquitetônico

Para atender todas as complexidades existentes no processo de forma eficiente e organizada, o projeto arquitetônico é dividido em 5 etapas, as quais detalharemos a seguir

  1. Briefing ou levantamento de necessidades 

A etapa inicial do projeto tem por objetivo definir e elencar todos os anseios, necessidades e expectativas do cliente em relação ao resultado da execução. 

Esse levantamento é possível a partir da realização de uma entrevista pelo profissional responsável, que deverá elencar pontos importantes de acordo com tudo o que for dito pelo cliente. 

Para exemplificar alguns desses pontos, podemos citar:  

  • Orçamento total;
  • Preferências visuais de estilos, texturas, revestimentos, acabamentos e paletas de cores; 
  • Quantidade de cômodos e pavimentos;
  • Elementos desejados e indesejados;
  • Planos de reformas. 

A partir dos pontos definidos é que as demais etapas serão baseadas e projetadas, além da análise de viabilização financeira e possíveis ajustes orçamentários.  

Essa etapa é de extrema importância pois garante a satisfação final do cliente, além de evitar perdas temporárias e financeiras. 

  1. Estudo preliminar 

A segunda etapa tem como objetivo estudar a possibilidade técnica e financeira de realização do projeto

Essa etapa evita possíveis paralisações de obras por insuficiência financeira, e deve levar em consideração as características existentes que demandam maiores gastos do que os previstos, respeitando o orçamento dado inicialmente e em constante acordo com o cliente. 

Para isso, o arquiteto precisa analisar presencialmente o terreno em questão, levando os seguintes fatores em consideração: 

  • Ventilação, para analisar o fluxo dos ventos locais e definir posteriormente a disposição de portas e janelas, promovendo a circulação de ar e criando ambientes arejados e agradáveis. 
  • Topografia, para tornar a obra mais segura e resistente às movimentações terrenas..
  • Iluminação, para a análise de áreas irradiadas pelos raios solares, evitando calor excessivo em ambientes de permanência e projetando a iluminação natural a favor da  construção, fazendo desse recurso natural um grande aliado e utilizando-o de forma racional e econômica.  
  •  Sons externos, analisando os pontos de poluição sonora vizinhos, possibilitando assim a projeção de barreiras físicas para a redução de interferência desses ruídos no edifício a ser construído. 
  1. Anteprojeto 

O anteprojeto representa a primeira demonstração gráfica e visual do que foi pensado pelo arquiteto, de forma detalhada e de acordo com os desejos listados e as condições terrenas encontradas. 

Nessa etapa também há a definição de custo total da obra, que só é finalizada após a aprovação do cliente. 

Caso haja necessidade de reajustes, eles devem ser feitos em consenso entre cliente e profissional, visando sempre a melhor e mais viável solução.

  1. Projeto legal 

Essa etapa é burocrática e tem como objetivo estudar a legislação local, seguindo a lei de  uso e ocupação do solo, adequando e formatando todo o projeto de acordo com as normas municipais vigentes. 

Assim, facilitando e possibilitando a aprovação da execução do projeto pela prefeitura. 

  1. Projeto executivo

É o projeto final, detalhado tecnicamente e contendo todas as especificações e reajustes, sendo o guia definitivo de todos os processos seguintes de construção

No projeto executivo alguns elementos de desenho são obrigatórios e servem para transmitir as informações entre arquiteto e cliente, tornando visual e previsível o resultado de toda a construção.

Dentre os principais elementos de desenho, podemos citar:

  • Planta baixa: Sem dúvidas é o elemento de desenho mais  utilizado e  conhecido na arquitetura. É de caráter obrigatório para a prefeitura, mas não deve ser o único a ser utilizado. A partir da planta baixa é possível representar graficamente informações como: disposição de cômodos, paredes e em mobílias, instalações hidráulicas, etc.   
  • Corte: O corte segue a mesma lógica da planta baixa, porém de forma verticalizada.  Normalmente, são necessários e exigidos 2 cortes pela prefeitura.   
  • Fachada: Permite a visualização externa da construção, e é necessária para que a prefeitura analise e aprove a construção de acordo com a disposição de edificações vizinhas. 
  • Maquete 3D: Não possui caráter obrigatório, mas é interessante para uma visualização mais realista do projeto.
  • Planta de cobertura: Representa a vista aérea da construção, e deve conter elementos como telhado, aberturas, tubos de queda, etc.  
  • Planta da situação: Representa elementos do terreno e da edificação. 
  • Planta de implementação: deve representar o local exato do edifício no terreno, definindo limites e acessos. 

Conclusão 

Tendo em vista tudo que foi descrito acima, é possível perceber a importância e utilidade de um projeto arquitetônico, independente do porte construtivo.  

Por isso, sempre que possível priorize esse serviço, pois ele explora tudo que há de melhor para o seu processo construtivo, tornando-o muito mais qualitativo, assertivo e eficiente.

Caso tenha se interessado e queira aproveitar de todos os benefícios existentes em desenvolver um projeto arquitetônico, basta nos contatar clicando aqui e marcar uma avaliação com um de nossos especialistas.

Se tem interesse em ler mais sobre o assunto, confira o nosso blog.

Estamos à disposição!   

Banners do Rock Convert copiar min 1
Compartilhe esse post
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Posts relacionados