A importância do estudo de viabilidade para tirar suas ideias da gaveta!

Improvisar é ótimo e, muitas vezes, necessário. Mas vamos concordar que, com um bom planejamento, as chances de você obter sucesso naquilo que se propuser a fazer são bem maiores, né? Por isso, no tópico de hoje, queremos reforçar a importância de realizar um estudo de viabilidade antes de colocar algumas ideias em prática. Além de importante para qualquer negócio, ele pode, inclusive, ser aplicado em projetos pessoais, como ao construir uma casa, adquirir um carro, etc.

Independente da área de atuação de um empreendimento, este estudo acaba sendo imprescindível para estruturar o planejamento de um negócio, pois sintetiza todas as variáveis que influenciam e agem sobre a empresa e fornece informações e indicadores para uma melhor tomada de decisão. De forma principal, ele ajuda a prever se o retorno sobre os investimentos realizados serão significativos e compensarão os gastos.

Junto de uma boa gestão e de um plano de negócios bem estruturado, o estudo de viabilidade é fundamental para lidar com as mais diversas situações que podem acontecer na trajetória de uma empresa. Neste post, identificamos sua estrutura, relevância e damos algumas dicas de como você pode implementá-lo no seu negócio.

O que é um estudo de viabilidade e por que ele é importante?

O estudo de viabilidade é composto por diversas análises sobre o mercado, o produto e os futuros cenários a fim de compreender se um projeto é executável. É um dos primeiros passos após a idealização do projeto, evitando que a empresa perca dinheiro com investimentos que podem não ser frutíferos. 

Para evitar desperdício de tempo, prejuízos financeiros e até mesmo materiais, este estudo realiza as projeções de retorno, tendo como base números e estatísticas. Isto facilita a previsão de investimentos, em quanto tempo serão recuperados e a avalia o desempenho do negócio no médio ou longo prazo.

Este estudo também é útil pois pode ser solicitado por instituições financeiras no momento da concessão de uma linha de crédito, um empréstimo ou financiamento: tendo como base o potencial de rentabilidade do negócio, o banco avalia o risco da concessão. 

É recomendado realizar este processo não só antes de abrir um negócio, mas sempre que sentir a necessidade de realizar novos projetos, como por exemplo ao ampliar a área de atuação da empresa ou antes do lançamento de novos produtos. 

Quais aspectos são analisados em um estudo de viabilidade?

Ao determinar aquilo que se deseja realizar, são levados em consideração três aspectos principais para o desenvolvimento e realização desse projeto: o técnico, o financeiro e o econômico.

  • O aspecto técnico: é o primeiro passo para estudar a viabilidade de um projeto. Sabendo que cada projeto terá uma variável, um meio e um fim distintos, é necessário levar em consideração a sua complexidade, fazendo um levantamento de todas as necessidades da empresa para realizá-lo. Isso significa estimar todos os recursos necessários, sejam eles matéria-prima, funcionários envolvidos, dinheiro a ser investido, informações a serem geradas e coletadas, etc. 

No caso do estudo técnico para analisar a viabilidade de uma obra, por exemplo, é necessário considerar as condições específicas do espaço onde ela será realizada, a inserção e interação do empreendimento com o seu entorno, as restrições geotécnicas e ambientais, as regras de ocupação e zoneamento, o número de funcionários envolvidos, o tempo para conseguir autorizações e licitações, etc. 

  • O aspecto financeiro: após listar as condições técnicas para a realização de um projeto, é o momento de analisar a viabilidade financeira do seu desenvolvimento, levando em consideração o tamanho da equipe, o número de profissionais necessários, o prazo previsto de conclusão e a estimativa de  investimento, etc. Dessa forma, a viabilidade financeira é calculada com base  em prazos e números e, normalmente, quanto maior a capacidade financeira para investimento, menor acaba sendo o prazo de conclusão do processo, devido à maior mobilização gerada para sua concretização. 
  • O aspecto econômico: sabendo que todos os processos e projetos têm uma finalidade, ela está normalmente atrelada ao lucro. Nessa etapa, de forma especial, é calculado o retorno sobre o investimento.  Para isso, são considerados os indicadores de viabilidade técnica e financeira também, abordando o cálculo de receitas e despesas, baseando-se em informações do mercado e compreendendo se a realização do projeto é economicamente viável. Aqui, verifica-se se o investimento será recuperado e em quanto tempo isso acontecerá, considerando também o potencial de receitas e lucros para os anos subsequentes. Por exemplo, se um empresário pensa em abrir uma empresa completa em três anos e prevê que seus custos serão cobertos nos cinco anos seguintes, a partir da sua inauguração, no terceiro ano, e até o final do oitavo ano, a soma do investimento inicial e das despesas decorrentes devem ser menores ou iguais à soma das receitas. 

Como fazer um estudo de viabilidade? 

Para ele ser eficaz, diversos fatores devem ser considerados. Não há uma receita de bolo que se aplique a todos os casos, visto que sua adoção pode ser feita nas mais diversas áreas e setores, mas trouxemos algumas dicas que podem ajudar na realização de um estudo de viabilidade mais completo e efetivo:

  • Analise o mercado. Identifique tendências, concorrentes, erros e acertos, lacunas, rentabilidade média, oportunidades e ameaças, assim como as forças e fraquezas da sua empresa e como elas podem ser influenciadas por esse mercado.  Com estas informações, realize o planejamento estratégico e faça as estimativas dos indicadores, levando em consideração as sazonalidades e as influências que o cenário econômico pode ter no seu negócio.
  • Projete seus custos e despesas. Considere todos os valores envolvidos no seu empreendimento: investimentos, custos operacionais, despesas e tributos. Os custos fixos e variáveis também devem ser elencados, assim como os imprevistos devem ser considerados.
  • Estime a receita. Para definir se o projeto deve ir adiante ou não, as receitas devem superar os custos em um período razoável. A fim de realizar essa estimativa, deve-se levar em consideração o público-alvo do produto ou serviço, a localização e o alcance da empresa, a taxa de conversão dos clientes, a atuação dos concorrentes e demais variáveis que influenciam no rendimento do negócio. 
  • Separe um montante para investimentos iniciais e monte uma reserva de emergência. Como vimos anteriormente, é muito importante considerar os imprevistos, incluindo cenários positivos e negativos, a fim de estar preparado para possíveis variações nos preços, produtos, custos, oferta e demanda em cada panorama. Isso diminui consideravelmente os riscos, pois o gestor terá se preparado para tomar ações em momentos de incerteza.
  • Identifique os resultados e atualize o modelo do estudo. Tome nota dos dados já coletados, atualizando-os sempre que necessário. Receitas, despesas, custos, todas essas variáveis devem ser anotadas em uma planilha ou software para analisar os resultados e projetar novas ações e investimentos. Algumas variáveis e ações podem ser ajustadas ao longo do processo, e todas estas orientações devem ser documentadas. 

Agora que estão claros os motivos para realizar um estudo de viabilidade antes de colocar um projeto em prática, é hora de realizá-lo. Aproveite a oportunidade para elaborar um planejamento estratégico completo para a sua empresa, garantindo que você tenha um ótimo retorno sobre o valor e o tempo investidos e obtenha sucesso no seu empreendimento com o mínimo de prejuízos possível. Caso tenha restado alguma dúvida sobre o estudo de viabilidade da empresa ou você queira ajuda profissional e capacitada para buscar os melhores resultados para a sua empresa, entre em contato com a Poli Júnior e descubra como podemos te ajudar! 

Compartilhe esse post
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Materiais Ricos

Posts relacionados